União da classe artística é diferencial de Ribeirão Preto

Photo by Janko Ferlic from Pexels

Eleita Capital Brasileira da Cultura em 2010, Ribeirão Preto é conhecida por sua vida cultural intensa desde os tempos dos barões do café. Mas no atual cenário de cortes em investimentos destinados a essa área, quais são as perspectivas para a cultura na cidade? Para debater esse tema, o USP Analisa exibe nesta semana a primeira parte de uma entrevista com o presidente da Fundação Educandário Coronel Quito Junqueira, Marcos Awad, e com o presidente do Cineclube Cauim, Fernando Kaxassa.

Para Kaxassa, o grande diferencial de Ribeirão em relação a outras cidades de mesmo porte é a união da classe artística, que começou com o objetivo de salvar o Theatro Pedro II, após um grande incêndio na década de 80. “Nós criamos uma festa em maio de 1994, a Festa das Artes. Foi uma festa de 24 horas que levou mais de 50 mil pessoas ao Morro de São Bento naquela época. Foi quase uma virada cultural. Aliás, tem ex-secretários da cultura do Estado daquela época que falam que a primeira Virada Cultural foi a Festa das Artes em Ribeirão Preto. Isso juntou muito o pessoal e não foi à toa. Cerca de 90% dos grupos culturais que existem hoje vêm daquela época”, conta.

Awad também destaca o papel da Fundação Educandário na promoção da cultura em Ribeirão, principalmente da literatura, por meio da Biblioteca Sinhá Junqueira, que foi restaurada e entregue à comunidade em fevereiro. “O Estado tem uma série de limitações, então para nós é muito gratificante complementar o papel do Estado oferecendo um equipamento moderno como a Biblioteca. O resultado que a gente tem visto até agora é muito interessante e mostra a carência desse tipo de equipamento na cidade. A maneira como as pessoas estão frequentando, pegando os livros emprestados, usando todos os recursos da biblioteca, mostra a carência que um equipamento desse tinha na nossa cidade. Então vale muito a pena. É um gasto a fundo perdido, mas tem que ser encarado pelo impacto sociocultural que isso causa”.

A primeira parte da entrevista vai ao ar nesta quarta (15), a partir das 18h05, com reapresentação no domingo (19), a partir das 11h30. O programa também pode ser ouvido pelas plataformas de streaming iTunes e Spotify. O USP Analisa é uma produção conjunta do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP e da Rádio USP Ribeirão Preto.

VOCÊ PODE GOSTAR ...