Fale conoscoFacebookTwitterGoogle PlusFlickrInstagramYoutube

Vitor Blotta

Meu nome é Vitor Blotta, sou paulista descendente de italianos e portugueses, nascido em Sorocaba-SP em 1981. Estudo as interfaces do direito, da comunicação, da política e da economia e da cultura desde meu ingresso na Faculdade de Direito da PUC-Campinas, em 2001. Em 2005 tornei-me Bacharel em Ciências Sociais e Jurídicas defendendo monografia intitulada “A Comunicação Social no Estado Democrático de Direito: por um Novo Controle Social da Informação”. Em 2006 ingressei no Mestrado pelo Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito da Faculdade de Direito da USP, sob a orientação do Professor Associado Eduardo Bittar. Em 2007 passei a trabalhar na Associação Nacional de Direitos Humanos – Pesquisa e Pós-Graduação, e no Núcleo de Estudos da Violência da USP, onde atuo até hoje. Em 2008, após defender Dissertação sobre a teorias da razão e do direito de Habermas, entre 2009 e 2012, desenvolvi a tese de doutorado “O Direito da Comunicação: reconstrução dos princípios normativos da esfera pública política a partir do pensamento de Habermas”. A partir desta tese, passei a desenvolver estudos sobre discursos de direitos humanos em meios de comunicação, com o objetivo de analisar sua legitimidade na esfera pública brasileira.

Desde 2014, sou Professor Doutor do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, onde atuo ministrando disciplinas de Legislação e Ética do Jornalismo e da Indústria Editorial, além de Políticas Públicas de Leitura. Em 2016 fundei com o Professor Associado Eugênio Bucci o grupo de pesquisa Jornalismo, Direito e Liberdade (ECA-USP e IEA-USP), com a finalidade de aprofundar o estudo dos princípios éticos e jurídicos da imprensa livre e da comunicação pública. Tenho realizado também pesquisas sobre direitos de comunicação na internet, e questões como privacidade, liberdade informacional e cultura do compartilhamento.

Estou trabalhando com Alfabetização Midiática e Informacional pois trata-se de pressuposto do exercício pleno dos direitos de comunicação na sociedade da informação. A capacidade de ler criticamente as informações e dados que circulam nos meios de comunicação, além de entender dos sistemas de leitura computacional, são condições do princípio da autonomia informacional, sem o qual não é possível ter respeitado a dignidade da pessoa humana na sociedade da informação.