Perfil André Carlos Busanelli de Aquino

22 de October de 2019

Palavras chave: Governança pública, Temporalidade, Teoria Organizacional, Mundos virtuais.

Interesse de pesquisa

Minha agenda de pesquisa atual trata da interface da ação humana com artefatos digitais em organizações do setor público.Tento comprender de forma ampla como as estruturas temporais (temporality) em ambiente digitais (e até imersivos) orientam a ação humana e não-humana (agency) nas organizações e os processos e práticas organizacionais (organizing). Estruturas temporais, como ciclos, estão por todos os lados: ciclos anuais de orçamento, ritmo de gastos ao longo do ciclo orçamentário, deadlines de prestação de contas, velocidade e frequência de oferta de serviços básicos, ritmo do processo estratégico, etc. Entre os temas que analiso atualmente estão os chamados mundos virtuais,  formas de inteligência artificial e realidade aumentada e virtual aplicada a organizações. Nessa interação, diferentes formas de sincronização e estruturas temporais organizam a ação cognitiva e material na interação coletiva.

A atuação profissional em novos ambientes virtuais, incluindo as novas formas de trabalho (ex. nômades digitais), trazem desafios e oportunidades para estudos organizacionais no setor público.  Por exemplo, ampliação de demanda por informação não otimizada, criando over accountability’ , flexibilização de jornadas de trabalho e teletrabalho em governos e/ou automatização no fluxo de trabalho de contadores e auditores alteram ou reforçam a sincronicidade e o ritmo das rotinas e mudam práticas profissionais.

De 2013 a 2021, minha pesquisa focou sobretudo mudanças na gestão financeira de governos. Minhas pesquisas dividiram-se em duas linhas: (i) reformas compulsórias no ciclo de gestão financeira de governos no Brasil, e (ii) resiliência de organizações públicas. Com abordgaem em geral qualitativa, focamos no nível de governança local, como Prefeituras, Conselhos Municipais de Saúde, Comitês de Orçamento e Finanças em Câmaras Municipais, e Tribunais de Contas como órgão de controle. Os resultados obtidos dessa agenda apontam para fortes raízes institucionais que condicionam gestores públicos à uma lógica de ação material de curto prazo, contrária à uma maior participação social, accountability e abertura de governos (openness). Existem camadas sobrepostas de reformas e pressões, que levam à reprodução de um repertório de respostas de curto prazo enraizadas na administração pública.

Qualificação e vinculo institucional

Professor Titular, Escola de Artes Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo. Pesquisador Associado do Instituto de Estudos Avançados, da USP. Pesquisador visitante da University of Birmingham – UK

Supervisão e outros interesses

Pós-Doutorado e Doutorado alinhado aos interesses de pesquisa.

Perfis em bases de referências