Perfil André Carlos Busanelli de Aquino

22 de outubro de 2019

Palavras chave: Governança pública, Temporalidade, Teoria Organizacional.

Interesse de pesquisa

Minha agenda de pesquisa trata de rhythm, organizing e agency. As diferentes formas de sincronização e ritmo organizam a ação cognitiva e material na interação coletiva. A temporalidade da interação organizacional e social afeta as bases cognitivas na ação humana (agency). Estou interessado em contextos sociais em que as expectativas do grupo são agregadas por um objetivo legítimo, tanto em organizações públicas, como em outras formas de organização coletiva, como  eventos não comerciais baseados em tradição e cultura e projetos humanitários.

Minha agenda nos últimos anos tratou, no contexto das organizações públicas (governos, assembleias legislativas, comissões e comitês de suporte à representação democrática) na questão de organização e respostas (como ação material). As pesquisas nessas duas linhas em geral seguem uma epistemologia construtivista com uso de métodos qualitativos ou mistos. Minhas pesquisas dividiram-se em duas linhas: (i) reformas compulsórias no ciclo de gestão financeira de governos no Brasil, e (ii) resiliência de organizações públicas. A unidade de análise em geral foi feita no nível de governança local, como Prefeituras, Conselhos Municipais de Saúde, Comitês de Orçamento e Finanças em Câmaras Municipais, mas também analisamos stakeholders como Tribunais de Contas.

Os resultados obtidos nos últimos anos apontam para fortes raízes institucionais que condicionam gestores públicos à uma lógica de ação material de curto prazo, contrária à uma maior participação social, accountability e abertura (openness). Camadas sobrepostas de reformas e pressões, levam à reprodução de um repertório de respostas de curto prazo enraizadas na memória coletiva.

A próxima fase da agenda é observar como ciclos e ritmos (universais e simbólicos) estão associados a mudança no padrão de agency no ambiente organizacional, e outras disfunções individuais ou coletivas associadas. Tais organizações atuam em ritmos e ciclos específicos. Alguns exemplos são: ciclos anuais de orçamento e ritmo de gastos ao longo do ciclo orçamentário. A intensificação da rotina de trabalho, ambiente de over accountability’, flexibilização de jornadas de trabalho ou adoção de jornada parcial em alguns governos, adoção de governo eletrônico e intensificação de ICT no fluxo de trabalho do contador alteram ou reforçam a sincronicidade e o ritmo. A mudança nos processos organizacionais altera agency (ex. induz a erros e distrações, perda de capacidade de projeção criativa, restringe sensemaking). As pesquisas no tema têm desconsiderado tais efeitos na dinâmica de organizações públicas.

Qualificação e vinculo institucional

Professor Titular, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Pesquisador Associado do Instituto de Estudos Avançados, da USP. Pesquisador visitante da University of Birmingham – UK

Supervisão e outros interesses

Pós-Doutorado e Doutorado alinhado aos interesses de pesquisa.

Perfis em bases de referências