Palavras Cruzadas: Lugares de Fala Contemporâneos

A instalação Palavras Cruzadas cria um espaço de escuta para 12 vozes representativas das lutas minoritárias brasileiras em resistência a séculos de violência colonial. Mais do que um mapeamento ou um apanhado das lutas, a videoinstalação produz um círculo de subjetividades dissonantes do coro hegemônico. Não se trata, entretanto, de dar conta da expressão das vozes das minorias, infinitamente plurais, mas de estabe­lecer um diagrama das potências de vozes que se encontram, ora silenciadas, ora apartadas, afirmando-as em seus protagonismos singulares.

Compõem o diagrama os Movimentos Indígena, com David Karai; Quilombola, com TC Silva; Sem Teto, com Carmen Silva; as Mães de Maio, com Débora Silva; as pessoas em situação prisional, com Dexter; o Movimento das Prostitutas, com Lourdes Barreto; o Movimento Trans, com Amara Moira; a Cultura Surda, com Edinho Santos; o Movimento Secundarista, com Marcela Jesus; o Feminismo Negro, com Juliana Borges; o Movimento LGBT, com Jéssica Tauane; e os Imigrantes, com Shambuyi Wetu.

O projeto foi desenvolvido pelos artistas Daniel Lima, Élida Lima e Felipe Teixeira, em parceria com o LabArteMídia – Laboratório de Arte, Mídia e Tecnologias Digitais, a