Oficina “Pesquisa e inovação: da geração do conceito à concessão da patente”

Do artesanato aos produtos personalizados em escala industrial: a relevância das patentes nos dias atuais  

Em mais um evento associado à jornada do Dia Internacional da Mulher, Zilda de Castro Silveira, docente e pesquisadora do Departamento de Engenharia Mecânica da Escola de Engenharia de São Carlos da USP, expôs algumas reflexões sobre o patenteamento de projetos, sobretudo os relacionados às engenharias.

É interessante observar que a história do produto moderno está relacionada com as revoluções industriais: os artesãos, antes das indústrias, elaboravam utensílios para o consumo próprio. No entanto, desde o surgimento das fábricas, vários marcos científicos se fizeram presentes: das primeiras máquinas a base de vapor à eletricidade e às tecnologias mais recentes, baseadas em uma maior customização das mercadorias seguindo padrões de escalas na produção.  

E quando se fala de patentes logo nos vem à mente a figura do inventor. Ele, em algumas situações, pode defender com tanta paixão o seu trabalho que, às vezes, acaba negligenciando a importância dos resultados econômicos e sociais que a patente é capaz de proporcionar ao autor e à comunidade a que a ele pertence. O mundo corporativo trabalha com indicadores, por essa razão as patentes precisam se direcionar nesse sentido, pois os projetos devem ser visionários, combinado aplicabilidade na vida real com boas estratégias de marketing, a fim de atingir o mercado. Ademais, esses efeitos das patentes são fundamentais para gerar confiança na indústria, se possível reunindo a inteligência de diferentes profissionais para gerar inovação.    

Confira abaixo: