Eventos

O LABI tem se esforçado na promoção de Colóquios periódicos sobre Artes, Política,  ciência, Universidade, Meio Ambiente e vários outros temas de interesse social, com participação de diferentes artistas, pesquisadores, autoridades etc , eventos sempre abertos ao público interessado.

OUTUBRO/19

 

NOVEMBRO/17

Detalhes sobre o Projeto de Colaboração LABI e Rede Indígenaclique aqui

TIMÓTEO DA SILVA VERÁ TUPÃ POPYGUA,

autor do livro A terra é uma só (2017), coordenador da Comissão Guarani Yvyrupa (CGY).
Para ouvir o registro desse evento clique aqui
Dia 09/11, quinta-feira, 18hs
Casa de Culturas Indígenas do IP-USP.
evento timoteo

Organização:
Rede de Indígena e Laboratório de Estudos do Imaginário – LABI IPUSP
Danilo Silva Guimarães, Marie Claire Sekkel, Maria Luisa Sandoval Schmidt,
Robson Colosio e Larissa Moreira Soares

OUTUBRO/17

Ciclo de Filmes
TEMAS INDÍGENAS ATUAIS NO ENCONTRO ENTRE CULTURAS

Local: CASA de CULTURAS INDÍGENAS no IPUSP

Datas: OUTUBRO – 2017

18 (qua) e 19 (qui), às 18h (Casa de Culturas Indígenas)
20 (sexta), às 15h  (auditório Carolina Bori)
25 (qua) e 26 (qui), às 18h (Casa de Culturas Indígenas)

Desde 2012, a Rede de Atenção à Pessoa Indígena (IPUSP-PSE) tem realizado a escuta de relatos de situações de vulnerabilidade psicossocial enfrentadas por comunidades Mbya Guarani de São Paulo e desenvolvido estratégias conjuntas com lideranças das comunidades para o enfrentamento dessas situações. No processo de desenvolvimento de ações de extensão, chegamos à proposta de construção de uma Casa de Culturas Indígenas no IPUSP, visando fomentar o intercâmbio de saberes e uma aproximação das comunidades com a Universidade para o aprofundamento de reflexões pertinentes à saúde e educação diferenciadas, reconhecimento e efetivação de direitos, demarcação de terras, fortalecimento da cultura e memória das comunidades indígenas. Esta proposta visa aprofundar a compreensão desses temas, dando continuidade ao intercâmbio já existente entre a psicologia e as comunidades Guarani, suas lideranças, educadores e estudantes.

Dia 18/10

Homem Branco em Marãiwatsédé (12”, Brasil, 2011) de Marcelo Bichara

Em 2010 Marãiwatsédé (MT) recebeu o triste título de área mais devastada da Amazônia. O filme conta a história do povo Xavante que teve sua terra tomada pelos militares no início da ditadura, para criar a fazenda Suiá Missu, considerada o maior latifúndio do mundo na década de 70. Os índios estão de volta e querem recuperar seu território.

A Terra Não Termina (15”, Brasil, 2012) de Marcelo Bichara

Outro olhar sobre o Rio+20. Durante a Eco 92, o governo brasileiro admitiu que havia expulsado os Xavante de seu território na ditadura militar. Ali foi criada a fazenda Suiá Missu, na época o maior latifúndio do mundo! Depois de 20 anos, os Xavante estão de volta no Rio de Janeiro para dizer: “ninguém resolve!”

Índio Cidadão? (52”, Brasil, 2013) de Rodrigo Siqueira.

Filme mostra o movimento indígena desde a mobilização coordenada pela União das Nações Indígenas pela participação popular na Constituinte em 1987/88, até a ocupação indígena da Câmara dos Deputados 25 anos depois, na Mobilização Nacional em Defesa dos Direitos Constitucionais.

Dia 19/10

Uma Casa Uma Vida (24”, Brasil, 2013)

O filme debate sobre a moradia Xavante e os programas de habitação do governo enquanto registra as oficinas de construção ecológica nas aldeias Santa Cruz e Belém, TI Pimentel Barbosa, no projeto Tiba´uwe.

Piõ Höimanazé – A Mulher Xavante em Sua Arte (52”, Brasil, 2008) de Cristina Flória.

O universo feminino Xavante é revelado pelas mulheres da Aldeia Etehiritipá, TI Pimentel Barbosa, através da sua arte, suas raízes culturais e seus conhecimentos, mantidos e transmitidos de geração a geração até os dias atuais.

Dia 20/10
(no auditório CAROLINA BORI às 15h)

“Martírio”  – (2h14 min, Brasil, 2014, Vincent Carelli)

Sinopse: uma análise da violência sofrida pelo grupo Guarani Kaiowá, uma das maiores populações indígenas do Brasil nos dias de hoje e que habita as terras do Centro-Oeste, entrando constantemente em conflito com as forças de repressão e opressão organizadas pelos latifundiários, pecuaristas e fazendeiros locais, que desejam exterminar os índios e tomar as terras para si.

Dia 25/10

Tsõ’rehipãri – Sangradouro (28“, Brasil, 2009)

Em 1957, depois de séculos de resistência e de fuga, um grupo Xavante se refugiou na missão Salesiana de Sangradouro, Mato Grosso. Hoje rodeados de soja, com a terra e os recursos despauperados, eles mostram neste filme suas preocupações atuais em meio a todas as mudanças que vêm vivenciando.

A’uwẽ Uptabi – O Povo Verdadeiro (32”, Brasil, 1998)

Iniciativa do aldeia Etenhiritipá, do povo indígena Xavante, para revelar aos warazu (brancos) a Tradição do povo A’uwê. O termo A’uwẽ Uptabi significa gente de verdade, povo verdadeiro. É a autodenominação desse povo guerreiro que ficou conhecida pelos brancos como Xavante. O documentário traz imagens do cotidiano da aldeia, das caçadas e pescarias, das cerimônias rituais. Revela ainda os primeiros contatos com os warazu, no final da década de 40, através de imagens e documentários da época. Os homens mais velhos da aldeia, que eram jovens na época do contato, relatam histórias e sentimentos sobre a chegada dos brancos. Falam do passado e do presente, na luta para manter a Tradição e o território para as futuras gerações.

Dia 26/10

A terra é uma só” – (52”, Brasil, Jera Guarani e Gianni Puzzo) Baseado no testemunho de Timóteo Verá Tupã Popyguá, líder Guarani que relata suas viagens pela Mata Atlântica, apresenta as narrativas dos Guarani Mbya sobre a origem da terra, do ser humano, da linguagem humana e dos animais e plantas da região. A exibição desse filme será acompanhada pelo líder Guarani (a confirmar), oportunidade em que falará sobre o livro escrito e de mesmo nome do livro.


AGOSTO/17

XII Simpósio Nacional de Práticas Psicológicas em Instituições

28/08/2017 a 30/08/2017
Programação

28/08/2017, das 18h00 às 20h30;

29/08/2017, das 08h00 às 18h00;

30/08/2017, das 08h00 às 19h30.

Local

Auditório 239 (Prof. Paulo Barros de Carvalho) e Salas de Apoio 201;202;203;204;205;206;208

Rua Ministro de Godoy, 969 – Perdizes – São Paulo / SP.

Público Alvo

Alunos e profissionais do GT “Práticas Psicológicas em Instituições: atenção, desconstrução, invenção” da ANPEPP, e destina-se a discutir as diversas práticas em pesquisa e intervenção na abordagem fenomenológica que têm sido desenvolvidas em vários Grupos de Pesquisa credenciados pelo CNPq.

Inscrições e Certificados

Não é necessário fazer inscrição antecipada. A assinatura da lista de presença nos três dias de evento garante a emissão de certificado.

Informações adicionais, escreva para: simposiopraticas@gmail.com

FACEBOOK: https://m.facebook.com/XIISIMPOSIO/

Promoção

PEPG em Psicologia da Educação / Profa. Luciana Szymanski

APOIO: LABI – IPUSP  Laboratório de Estudos do Imaginário

PARA ACESSAR A PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO EVENTO Clique Aqui

DEZEMBRO/16

Conversa com Iolanda Évora (01/dez/16)
ÁFRICA: mobilidades, diversidades, representações, pesquisa acadêmica

Formada em Psicologia pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (1986), com mestrado (1996) e doutorado (2003) pela mesma instituição. Desde 2009, trabalha como pesquisadora do Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento do Instituto Superior de Economia e Gestão. Sua linha de pesquisa centra-se nas questões das diásporas, migrações, migrações em Cabo Verde, migrações das mulheres, saúde e imigração (HIV/sida), a partir da perspectiva da Psicologia e da Psicologia Social. Possui especialização em cooperativismo, psicologia social e do trabalho, processos sociais e construção de conhecimento.

Sua fala centrou-se na desconstrução das representações e denominações relativas à África, dada suas complexidades, diferenças culturais e realidades sociais e econômicas. Em particular, sobre as produções realizadas como objeto de pesquisa acadêmica. Procura em sua pesquisa encontrar um suporte para pensar criticamente sobre as questões da mobilidade africana, como abordar a África, como ela se pensa e como ela pensa. Faz referência direta ao trabalho de pesquisadores como SAAR, ACHILE MBEMBE, NDLOVU GATSHENI, NADIA YALA KISUKIDI.

OUÇA AQUI OU BAIXE OS REGISTROS DE ÁUDIO DO EVENTO
(para ouvir direto da internet, escolha o Music Player … em “open with”)

Conversa com Iolanda Évora – parte 1

Conversa com Iolanda Évora – parte 2

BANCAS DE TCC:

  • CASA DE ESPELHOS de Alan Felipe (Saúde Mental, história, movimento de luta antimanicomial, abordagens e tratamentos). Participação do técnico LABI Robson Colosio, em banca de TCC do Curso de Jornalismo da PUC-SP, em 16/dez/16
    Clique aqui para acesso ao trabalho
  • A CARNE MAIS BARATA: análise das chacinas no contexto da violência brasileira de Suria Barbosa (Análise sobre as chacinas nas periferias da cidade de São Paulo e a origem militar da segurança na cidade. Relatos de organizações de mães de jovens vitimados pelas chacinas). Participação do técnico LABI Robson Colosio, em banca de TCC do Curso de Jornalismo da PUC-SP, em 5/dez/16
    Clique aqui para acesso ao trabalho

OUTUBRO/16

MÍDIA E POLÍTICA: INFORMAÇÃO E (DES)MOBILIZAÇÃO
 

O papel da mídia no cenário político atual, tendo em vista o papel que os grandes meios de comunicação, sempre cumprem em atacar e mentir sobre nossos movimentos perante a opinião pública. Uma discussão com esse tema foi realizada no IPUSP com apoio e participação de membros do LABI.

midia