Linhas de Atuação Técnico-Científica

COTIDIANO, CULTURA E PARTICIPAÇÃO NA INFÂNCIA E JUVENTUDE

Esta linha de pesquisa tem por objetivo o estudo dos processos de inclusão e exclusão social na infância e juventude bem como de métodos, estratégias e técnicas na terapia ocupacional que favoreçam e apoiem a inclusão e a participação social desde/para/com crianças, adolescentes e jovens com deficiência, em sofrimento psíquico, adoecimento e vulnerabilidade ou risco social, tendo em vista o universo de atividades, relações sociais e contextos que compõem sua vida cotidiana, como as atividades que se desenvolvem no âmbito da família, da escola, de espaços comunitários, e de seus grupos sociais de pertencimento.

Aborda os desafios de natureza prática relacionados à inserção precária ou a falta de acesso à educação, à formação profissional, saúde e a todas as condições essenciais de proteção social e para o desenvolvimento integral, a circulação social, a convivência e a participação. Nesse sentido, aborda também questões de preconceito e discriminação por gênero, etnia, cor, raça, capacidade funcional ou renda, bem como aquelas centradas na insuficiência de cuidados e atenção, no isolamento domiciliar e na exclusão da vida cultural.

Abrange o estudo de práticas que promovem o desenvolvimento integral da infância e da juventude, o direito ao brincar, a inclusão escolar, a desinstitucionalização, a educação para o trabalho, o protagonismo juvenil, o acesso e produção da cultura e das artes, bem como a criação e desenvolvimento de recursos materiais e tecnológicos para apoiar a realização de atividades da vida cotidiana de crianças, jovens e suas famílias, como também a produção e fortalecimento de linguagens e expressões culturais e artísticas próprias. Estudos realizados nesta linha qualificam ações profissionais que se desenvolvem na esfera das políticas públicas em diferentes serviços e projetos que incorporam e valorizam contextos comunitários e territoriais na atenção a crianças, adolescentes e jovens, suas famílias e comunidades.

Docentes permanentes  e orientadoras
Adriana Marcondes Machado, Elizabeth Freire de Araújo Lima, Marie Claire Sekkel, Maria Paula Panúncio, Marilia Bense Othero, Marta Carvalho de Almeida e Sandra Maria Galheigo.

PARTICIPAÇÃO SOCIAL, TRABALHO, CONVIVÊNCIA E CUIDADO COM ADULTOS E IDOSOS

Esta linha de pesquisa tem por objetivo o estudo, desenvolvimento e qualificação de ações profissionais em terapia ocupacional, incluindo métodos, estratégias e técnicas, realizadas em contextos comunitários e territoriais orientados a resgatar, manter ou ampliar a autonomia para a realização de atividades da vida cotidiana e a participação social de adultos e idosos, que se encontram em situações de vulnerabilidade, com limitações permanentes ou temporárias, ou ainda vivenciam processos de ruptura das redes sociais e de suporte, no sentido da promoção da inclusão social e da garantia de direitos.

As ações profissionais têm enfoque sobre diferentes dimensões da vida cotidiana como o cuidado de si e de outros, a convivência, a vida comunitária e social, as experiências culturais e o trabalho, na perspectiva da participação social, como orientado por diferentes programas e políticas inclusivas. Busca-se ir ao encontro de perspectivas éticas e políticas no sentido de ampliar o acesso e exercício de direitos e as condições de existência em um espectro cada vez mais diversos de formas de viver. Nesse sentido, aborda problemas relacionados à inclusão social tais como:

  • o preconceito e a discriminação por gênero, raça, etnia, capacidade funcional, renda ou idade;
  • a negligência de cuidados;
  • a violação de direitos e diferentes formas de participação;
  • o isolamento domiciliar;
  • as limitações ou restrições à realização de atividades cotidianas;
  • a falta de acesso a recursos materiais e tecnológicos para realização de atividades cotidianas e da vida em comunidade;
  • a necessidade de reativação e reconexão de conhecimentos e práticas produzidas em meios não-acadêmicos (artísticos, comunitários, ritualísticos);
  • a falta de acesso, inserção precária ou dificuldade para permanência no trabalho;
  • as limitações para atividades cotidianas e restrições à participação que frequentemente acompanham o processo de envelhecimento;

Abrange práticas que promovam, para adultos e idosos:

  • o enfrentamento de situações de negligência, discriminação, violência, violação de direitos e de estigma;
  • a independência e autonomia no autocuidado, no habitar, no trabalho, na vida familiar e comunitária;
  • o cuidado de si, o fortalecimento da atenção coletiva e territorial e a produção comum;
  • o acesso e promoção de direitos, a produção de bens e valores sociais e culturais; a ampliação e potencialização de redes sociais e de suporte em contextos familiares e/ou comunitários;
  • processos de desinstitucionalização, a construção de redes territoriais de atenção e suporte e a promoção de convivência comunitária;
  • a criação e desenvolvimento de recursos materiais e tecnológicos para favorecer a realização de atividades da vida cotidiana, bem como a produção e fortalecimento de linguagens e expressões culturais e artísticas.

Estudos realizados nesta linha qualificam ações profissionais que se desenvolvem na esfera das políticas públicas inclusivas em diferentes serviços e projetos em contextos comunitários e territoriais de apoio a adultos e idosos, suas famílias e comunidades.

Docentes permanentes e orientadora
Eliane Dias Castro, Erika Inforsato, Fátima Corrêa Oliver, Maria Cristina Gonçalves Vicentin, Maria Helena Morgani de Almeida, Regina Célia Fiorati, Rosé Colom Toldra e Talita Naiara Rossi da Silva. As Profªs Denise Dias Barros e Maria Fernanda de Silvio Nicácio são docentes colaboradoras

    

 

 

                      

ATUALIZADO EM 12 de junho de 2024